Parte III - As Raças

1 Comments »

Entramos na melhor parte desse trabalho. As Raças. Como não sei de todas as criaturas que habitam Arda. Colocarei as mais conhecidas e principais. Espero que gostem, porque meu deu um trabalho incrivelmente difícil, sintetizar sobre cada Raça.

Elfos – Os Primogênitos de Ilúvatar

O povo dos Elfos (ou Quendi, “os que falam com vozes”, como eles chamavam a si mesmos) é a mais antiga raça de criaturas encarnadas a habitar Arda. Nas profundezas do tempo de Cuiviénen, a Água do Despertar, nos confins orientais da Terra-média. A primeira coisa que eles viram foi o céu estrelado antes que existisse o Sol e surgisse a Lua e, desde então, ele tem um amor todo especial pelas estrelas. Quando Oromë, o Caçador dos Valar, os encontrou alguns séculos depois, ainda às margens de Cuiviénen, não hesitou em chamá-los de Eldar, “a gente das estrelas”, usando o idioma que os próprios Elfos haviam criado.

Desde o principio, ele foram a mais bela raça da Terra-média, altos e vigorosamente imortais, de esplendida aparência e voz melodiosos, sempre prontos a aprender todas as formas de arte e ciência, com uma luz encantadora emoldurando suas faces. Só a tristeza ou a violência era incapaz de encerrar suas vidas, feitas para durar tanto quanto morriam, podiam reencarnar e voltar ao mundo. Na Água do Despertar, contudo, sua inocência primeva foi logo manchada. Alguns deles desapareciam na escuridão, levados por sombras malignas que assombravam os Quendi. Muito mais tarde, os sábios do povo élfico ligaram esse desaparecimento à criação dos Orcs pelas mãos de Melkor. Alguns estudiosos de Tolkien afirmam que Melkor seja o primeiro a perceber o nascimento dos Elfos no Mundo. Apesar de todo seu horrendo poder nas artes negras, ele não podia criar vida. Então, apenas modificou os Elfos. Considerando fatos em todas as obras e o ódio que os Elfos têm pelos os Orcs, compreendo que eles, os Elfos, sabiam de onde surgiu a raça maldita. Sendo a forma de exterminá-los uma redenção para eles. Do mais belo povo é que foram criadas, dessa forma, as mais odiosas criaturas de Arda.

Oromë, ao saber dos perigos afligiam os Elfos, não perdeu tempo, convocou os demais Poderes do Mundo que derrotaram Melkor em combate e o fizeram prisioneiro. Os Elfos foram convidados a se unir aos Poderes do Mundo do Reino Abençoado de Valinor, mas alguns não quiseram deixar a Terra-média, porém a maioria do povo élfico, sob a liderança dos embaixadores enviados a Valinor para analisar as propostas dos Valar (Ingwë, Finwë e Elwë), se preparou para a grande jornada.

Nota:
Antes de iniciar, um dos grandes problemas das Obras de Tolkien para a maioria dos leitores, seja a quantidade exorbitante de nomes e personagens. E como essa parte terá muito nomes e personagens tentarei ser o mais compreensível possível.

Os três Povos

Adotando o nome de Eldar dado por Oromë, os Elfos, que iniciaram a caminhada para Valinor, já se dividiam em três povos que permaneceria relativamente estáveis durante todo o resto da história de Arda. Os Vanyar (“belos” em alto-élfico), o povo de Ingwë, foi o primeiro a alcançar o Reino Abençoado, e lá permaneceu para sempre, deleitando-se com a companhia dos Valar e dos Maiar. De longos cabelos dourados e olhos azuis, eles eram os maiores cantores e poetas dos Eldar, além de se mostrarem guerreiros invencíveis.

“Sábios” é a tradução do nome alto-élfico Noldor, a gente Finwë. Eles chegaram a Valinor junto com os Vanyar, lá se tornaram os mais habilidosos dos Elfos e os mais insaciáveis por conhecimento: a arte do escultor, do ourives e do ferreiro, o conhecimento de línguas e sistemas de escrita e, mais tristemente, o forjar de espadas eram o domínio especial deles.
Entre eles é que surgiu Fëanor, filho de Finwë, o maior dos Eldar e o causador de sua ruína ao se rebelar contra os Valar. É fodão demais esse cara!
Eram altos, audaciosos e impulsivos, de longos cabelos escuros e olhos cinzentos que tudo penetravam.

Teleri, “os últimos”, era o nome que os demais Elfos davam ao terceiro clã, liderado por Elwë. Este não conseguiu completara Grande Jornada, ficando na Terra-média com grande parte de seu povo. Foi seu irmão, Olwë que finalmente trouxe alguns Teleri para Aman, onde eles fundaram Alqualondë, o Porto dos Cisnes; e isso porque eles foram os primeiros a singrar o Grande Mar, marinheiros cujo canto melancólico, como o das gaivotas, espelhava o barulho do oceano. Seus olhos e cabelos eram prateados como as estrelas.

Avari, “os que recusam” é nome dado aos Elfos que decidiram ficar no leste da Terra-média. Criadores de muitas línguas secretas, habitantes das florestas mais distantes e ermas, eles deixaram poucos registros de sua vida em Arda. Como já se disse, nem todos os Teleri, que começaram a jornada para Valinor, alcançaram seu destino. Quando tiveram que atravessar as Montanhas Nevoentas, altas e terríveis, um grupo deles, liderados por Lenwë, resolveu voltar. Estes se tornaram os Nandor, “os que dão meia volta”, um povo que amava as florestas e as pequenas quedas d água, espalhando-se pelo vale do rio Anduin. Foram eles que vieram a maioria dos Elfos de Lothlórien e os da Floresta das Trevas, o povo de Legolas.
Os outros Teleri chegaram até a região de Beleriand, no extremo oeste da Terra-média, mas ali outro grupo se separou buscando Elwë, seu líder, que desaparecera na floresta de Nan Elmoth. Muito tempo se passou, e os Valar insistiram para que os Teleri atravessassem o Grande Mar; os amigos e parentes mais próximos de Elwë porem, se recusaram a partir e acabaran ficando na Terra-média. Elwë reapareceu unido à Melian, a Maia, e se tornou rei de Beleriand e senhor dos Sindar, “os cinzentos”, com o nome de Elu Thingol. Do casamento de Thingol e Melian nasceu Lúthien, a mais bela do povo Élfico.


Ascensão e Decadência


Em Valinor os Elfos alcançaram sabedoria e poder inimagináveis, mas essa ascensão foi acompanhada pelo orgulho. Ao criar as Silmarils, as três jóias perfeitas que enclausurava parte da Luz da Terra dos Valar, Fëanor despertou a cobiça de Melkor, que havia sido libertado prometendo se regenerar. Através de mentiras e calunia, o Inimigo fez com que os Noldor abandonassem Valinor e partissem em seu encalço na Terra-média. A guerra sem esperança que se seguiu em Beleriand praticamente aniquilou os Noldor e seus aliados humanos. No último momento, os Valar se apiedaram dos Elfos exilados, enfrentando e derrotando Melkor. O que se seguiu foi o lento declínio dos Quendi na Terra-média, adiado pela criação dos Três Anéis Élficos e pelas ações gloriosas, mas infrutíferas do rei Gil-galad contra Sauron. Os Elfos estavam fadados, a partir para Valinor ou, no fim das contas, ceder seu lugar aos Homens.

No fim da Terceira Era de Arda, período no qual se passa a história de “O Senhor dos Anéis”, os Elfos tem seu último e decisivo encontro com as forças de Sauron, o maior dos servos de seu grande inimigo Melkor.

1 Response to "Parte III - As Raças"

Ana Karoline Says :
31 de dezembro de 2008 05:06

Realmente muito difícil falr sobre todas as raças e contar detalhes... ficaria enooooorme! eu adorei o resumo que fez! Parabéns!!!^^

Postar um comentário